sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Queques/Muffins Mazagran, história de Natal e uma participação num passatempo!


É no último dia (cortesia do muito que tenho para fazer...), à pressa mas ainda assim cheia de significado que participo no passatempo do blogue da Joana, "Palavras que enchem a barriga". 

Para participar, tenho de contar uma história do meu Natal e publicar uma receita de queques. 

Desde que nasci que passo os Natais em casa da minha avó (que mora a 10 min a pé de mim, felizmente!). Juntamos a família mais proxima - que está a cada vez maior - costumamos almoçar todos juntos dia 24, passamos o dia a preparar as coisas para a ceia de Natal, jantamos no meio de muitas conversas e piadas - em que eu e o meu avô somos sempre os últimos a acabar de comer, o meu avô porque come devagar e eu porque falo de mais - vamos para a sala jogar monopólio, a minha avó mascara-se de Pai Natal, distribuímos as prendas, eu vou à missa do galo com a minha mãe e o dia seguinte é passado mais ou menos no mesmo registo, no meio de muitos bombons e muito amor.

Mas o Natal nem sempre foi exatamente assim descontraído. Até aos meus 15 anos a minha mãe teve um café e os Natais - e principalmente a véspera - eram muito mais agitados. Quando era mais velha ia também ajudar para o café e era uma animação, mas quando era pequena lembro-me que não achava muita piada. Passava então a tarde do dia 24 a brincar na rua com a minha irmã e com minha vizinha e mais antiga amiga L., enquanto a minha avó amassava mais fillhós e sonhos para levar para o café e a minha bisavó preparava a ceia. E nessas alturas, fazia-nos sempre limonada para nós bebermos. Parece estranho associar limões ao Natal, mas aquilo era um ritual: brincar na rua, ansiosa pela meia noite para viesse o Pai Natal, e beber limonada bem fresquinha - naquela altura não era a friorenta que sou hoje!


Uma vez falei com a minha bisavó sobre isto - de associar o cheiro dos limões ao Natal. E ela contou-me que lhe acontecia o mesmo com o cheiro do café, porque quando era pequena a mãe preparava sempre para a noite de natal grandes panelões de chocolate quente e café - que na provincia pelos anos 20/30 era um luxo. 

É também o cheiro do meu Natal: café e limões. Limões pela limonada quando era pequena, café quando era mais crescida e ia ajudar a minha mãe. Não preciso da canela :)

No estágio, a minha "amiga secreta" deixou-me na secretária forminhas de silicone, para as minhas "deliciosas receitas". Não me ocorreu nada melhor que retribuir fazendo estes queques e levar para lá, distribuindo-os por toda a gente. E uma manhã que podia ter sido complicada (problemas com o carro, novamente!) tornou-se de repente uma manhã cheia de sorrisos e espirito natalício. 

Cá estão eles, prontos a seguirem viagem!

Acho que vou passar a distribuir queques mais vezes.

Ingredientes
  • 2 c. sopa de linhaça 
  • 1 cháv. farinha
  • 1 cháv. açucar
  • 1/2 cháv. óleo
  • raspa e sumo de 1 limão grande
  • 1 c. chá essencia de baunilha Vahiné
  • 2 c. chá de fermento
  • 3 c. chá de café solúvel

Modo fazer:
1 - Misturar a linhaça com 8 colheres de sopa de água. Mexer e deixar repousar durante 10 min.
2 - Misturar a farinha, o açúcar e a raspa do limão 
3 - Juntar a mistura de linhaça, o óleo, o sumos de limão, a essencia de baunilha e o café. Misturar tudo muito bem com uma colher de pau. 
4 - Juntar o fermento e mexer levemente.
5 - Levar ao forno pré-aquecido a 200ºC durante 5 min. Reduzir para 180ºC e deixar assar mais 15 min. Arrefecer e distribuir por toda a gente!


11 queques
Aprox. 209 kcal/queque

8 comentários:

Obrigada pela visita!